NAPNE do Campus Centro Realiza Oficinas de Braille para Alunos e Servidores

Publicado em

Oficina de Introdução ao Braille na sala do NAPNE do Campus Centro
Oficina de Introdução ao Braille na sala do NAPNE do Campus Centro

O NAPNE (Núcleo de Atendimento às Pessoas com Necessidades Específicas) no Campus Centro realiza durante as datas de 23 e 30 de outubro, e 6, 13, 27 de novembro, as “Oficinas de Introdução ao Braille” na sala do setor acima citado. As aulas ocorrem nos horários de 9h20min, 10h40min, 13 h e 14h20min e são ministradas por especialistas (servidores da instituição ou não) neste sistema de escrita tátil.

A inscrição da oficina foi aberta a toda comunidade escolar (servidores e alunos), mas com foco na capacitação do corpo docente do campus.

O Braille é um sistema tátil, desenvolvido no século XIX, de escrita e é utilizado por portadores de cegueira em todo o mundo usando o alto relevo em papel e outros suportes como forma de reconhecimento de letras, números e outros signos. Os mapeamentos (conjunto de designação de caracteres) variam de acordo com a língua utilizada, formando assim diferentes alfabetos do Braille.

No dia 30 de outubro, no horário de 13 h, a Assistente em Administração do Campus Tijuca II, Carla Gomes da Rocha, foi a convidada a ministrar uma aula sobre o sistema para uma turma de discentes do campus. Os mesmos utilizaram as ferramentas da reglete, punção e folha de papel A4 para realização das atividades.

Carla Gomes da Rocha comentou sobre a oficina ministrada e a experiência com os alunos participantes. “A importância do Braille é poder trabalhar com os alunos um novo sistema de escrita. É possibilitar um novo método de aprendizagem. Os alunos aqui estavam bem interessados, foram bem receptivos e conseguiram atender tudo o que eu pedi. Fiquei encantada”, afirmou

A Prof.ª Juliana Rodrigues Castro, chefe do NAPNE no campus, ressaltou a importância do evento. “As Oficinas de Introdução ao Braille têm como objetivo transmitir noções do Sistema Braille enquanto técnica de leitura e escrita. Os participantes aprendem o alfabeto, numerais, acentuação e pontuação de forma prática, usando reglete e punção. Além disso, conhecem um pouco sobre Louis Braille (criador do sistema tátil) e a importância dessa técnica para a Educação das pessoas com deficiência visual”, comentou.

Confira, abaixo, imagens das atividades da oficina no dia 30 de outubro:

Categorizado em 2019, NAPNE, Oficinas

Assuntos:

Tema desenvolvido pela Comunicação Social do Colégio Pedro II para WordPress